Partidos saem em defesa de Rodrigo Maia após crise com governo

Em um gesto de apoio a Maia, o PPS recebeu o presidente da Câmara em sua convenção nacional realizada hoje em Brasília

Partidos saíram em defesa do presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), após a crise instalada com o governo de Jair Bolsonaro que fez com que ele ameaçasse se afastar da articulação para a reforma da Previdência. O líder do PPS no parlamento, Daniel Coelho (PE), disse que o governo não pode gerar ruídos. “Temos um assunto que já é muito difícil por si só que é a Previdência”, disse. “Algumas declarações em redes sociais, seja do presidente ou do filho dele, não contribuem”, afirmou ao Broadcast, plataforma de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Em um gesto de apoio a Maia, o PPS recebeu o presidente da Câmara em sua convenção nacional realizada hoje em Brasília. Ele passou rapidamente pelo evento, acompanhado do deputado Alex Manente (PPS-SP), com quem tem agenda em São Paulo ainda hoje.

Mais cedo, o PSD emitiu uma nota com apoio enfático a Maia e para expressar “seu veemente repúdio aos ataques desferidos nas mídias sociais” contra ele. “Para a bancada do PSD na Câmara, os ataques gratuitos à pessoa do presidente Rodrigo Maia, além de agredir covardemente a sua dignidade pessoal e política, buscam erodir, sobretudo, o Poder Legislativo, esteio do regime democrático e fundamento da República”, diz o partido.

O líder do PP na Câmara, Arthur Lira (AL), acompanhou de perto a movimentação de Maia nos últimos dias e disse que ele foi “cirúrgico e correto”. “Maia tem a previdência como foco. Não é reforma do presidente, ele tem essa defesa desde sempre”, afirmou Lira ao Broadcast. Para o líder do PP, falta ao governo deixar mais claro quais são suas metas, “para onde ele vai”, disse.

Mais para você
Comentários
Carregando ...